“Eu sou assim”


Quando tememos a mudança, quando queremos continuar errados, quando tentamos nos desviar das pessoas que nos estendem a mão tentando nos pôr de pé, basta que a gente diga com serenidade (ou com um sorriso no canto da boca): “eu sou assim”. Soa com um tom de autoridade, ainda que quem o diga saiba, bem no fundo, que não tem autoridade nenhuma para falar sobre si mesmo dessa maneira tão segura, pois não se conhece.

É claro que só Deus nos conhece profundamente, mas nós não tentamos nem pôr o pé no raso: basta a onda vir e nós corremos feito crianças com medo do mar, com medo de nós mesmos. Não! Não somos assim. Somos mais que nossos erros, mais que nossas falhas e defeitos. Nós somos como crianças que, ainda que dispersas querendo apenas diversão, paramos e olhamos o mar diante de nós. O mar é nossa alma e somos chamados a conhecê-lo, a pôr os pés, ir caminhando mais fundo, mergulhar e nadar a fim de encontrarmos Deus que habita em nós, como um tesouro que todos procuram em mares errados, mas que está nas profundezas de nosso ser. Parar, orar, mergulhar em si e encontrar Deus. Melhorarmos, mudarmos e não apenas pegar na mão de quem a estende para nós, mas estendermos as nossas. Somos assim.









Por Vinícius Henrique,
Integrante do Movimento TLC - Diocese de Palmeira dos Índios/AL;
Catequista e estudante de Eletrotécnica - IFAL;
Criador da página Ele te quer SANTO com atuação no instagram (@eletequersanto).


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.