Jovens querem igualdade entre os sexos, mas em casa preferem papeis tradicionais

Uma nova pesquisa diz que um número crescente de estudantes creem que papéis convencionais para homens e mulheres funcionam melhor.



Por: Sempre Família
Porém, na vida familiar, não acontece o mesmo. Em 1994, 58% dos estudantes discordavam da afirmação de que o melhor modelo de família é o do “homem-chefe de família” e “mulher-dona de casa”. Em 2014, essa porcentagem diminuiu para 42%, ou seja, os jovens que concordam com esse modelo agora são uma maioria.
Além disso, em 1994, 71% discordavam de que é o homem quem deve tomar as decisões importantes para a família. Em 2004, apenas 63% dos estudantes discordavam dessa afirmação.
O estudo especifica que, de modo geral, os estudantes afirmam que os casais podem moldar seus papéis da maneira que quiserem. O sentimento de que papéis convencionais funcionam melhor, porém, tem crescido.
Os autores do estudo, Joanna pepin e David Cotter, creditam o panorama atual a uma teoria que chama de “essencialismo igualitário”, que seria “a crença de que homem e mulher são diferentes, mas iguais”. Esse pensamento combina o compromisso a dar oportunidades iguais a ambos os sexos com a noção de que homens e mulheres escolhem tipicamente oportunidades diferentes porque cada sexo se adequa naturalmente a certos papéis.
Porém, na vida familiar, não acontece o mesmo. Em 1994, 58% dos estudantes discordavam da afirmação de que o melhor modelo de família é o do “homem-chefe de família” e “mulher-dona de casa”. Em 2014, essa porcentagem diminuiu para 42%, ou seja, os jovens que concordam com esse modelo agora são uma maioria.
Além disso, em 1994, 71% discordavam de que é o homem quem deve tomar as decisões importantes para a família. Em 2004, apenas 63% dos estudantes discordavam dessa afirmação.
O estudo especifica que, de modo geral, os estudantes afirmam que os casais podem moldar seus papéis da maneira que quiserem. O sentimento de que papéis convencionais funcionam melhor, porém, tem crescido.
Os autores do estudo, Joanna pepin e David Cotter, creditam o panorama atual a uma teoria que chama de “essencialismo igualitário”, que seria “a crença de que homem e mulher são diferentes, mas iguais”. Esse pensamento combina o compromisso a dar oportunidades iguais a ambos os sexos com a noção de que homens e mulheres escolhem tipicamente oportunidades diferentes porque cada sexo se adequa naturalmente a certos papéis.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.