24 de Junho: Natividade de São João Batista, o Precursor de Jesus

São João Batista, o último profeta do Antigo Testamento, aquele que veio aplainar o caminho para a vinda do Salvador, o Precursor de Jesus, é comemorado, solenemente, pela Igreja de Cristo neste dia 24 de Junho. Seja um Católico Arretado e confira a história desse Santo tão querido por todo o povo Católico, mas principalmente pela matutada nordestina!


Lembrado, solenemente, pela Igreja Católica em seu nascimento (24 de junho) e martírio (29 de agosto), João Batista, aquele que é o “maior entre os filhos das mulheres” (Mt 11, 11) é conhecido como o Precursor de Cristo, cuja santificação ocorreu ainda no ventre de sua mãe, a idosa Isabel, por meio do primeiro milagre em Graça de Jesus, mediante Maria Santíssima: o recebimento do Espírito Santo e o conseqüente estremecer da barriga de Isabel, como podemos observar no Evangelho de Lucas 1, 39-45. O qual, juntamente com a Virgem Maria, preservada da mácula do pecado, e por excelência Jesus Cristo, que é Deus, são os únicos lembrados pela Liturgia Católica no dia de sua natividade, pois, diferente dos outros santos, foi santificado antes de nascer.

Nascido em Aim Karim, uma cidade de Judá, João Batista é filho de Zacarias, sacerdote do templo de Jerusalém e de Santa Isabel, prima de Maria, Mãe de Jesus, que recebeu por meio do Arcanjo Gabriel, assim como Zacarias, a notícia milagrosa da gravidez sonhada e desejada por Isabel mesmo em sua velhice e diante do diagnóstico de esterilidade.

Diferente de Maria, que confiou e se debruçou nos braços de Deus diante da anunciação do Anjo Gabriel, como serva, livre da mácula e querida por Deus desde a Eternidade, Zacarias, o pai de João Batista, ao receber a notícia da gravidez de sua esposa por meio do anjo, não creu, por isso, ficou mudo e surdo. Só voltou a falar e ouvir quando, finalmente, acreditou nos desígnios de Deus ao defender que seu filho se chamaria João, assim como o Arcanjo pediu, e, cheio do Espírito Santo, exaltou a grandeza de Deus, Seu Amor e Sua Misericórdia para/com Seus filhos, além de profetizar sobre a vida e a função de seu filho: E tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo, porque precederás o Senhor e lhe prepararás o caminho, para dar ao seu povo conhecer a salvação, através do perdão dos pecados.” (Lc 1, 76-77)

O livro Imitação de Maria, Parágrafo 107, do Padre Luís Erlin nos abrilhanta dizendo que "ao entrar na casa de Zacarias, a saudação de Maria enche Isabel de alegria. O encontro com João Batista, ainda no ventre de sua prima, demonstra que a Mãe de Deus tem o poder de abrir caminhos para que Jesus seja adorado.” 

Assim como profetizou seu pai, João Batista foi aquele que pregou incessantemente a conversão e a mudança de vida a fim de conquistar o Reino dos Céus, a Salvação que Jesus estava prestes a trazer. Pregou essa remição de pecados com sua própria vida, assim como é atestado no Evangelho de São Marcos 1, 4-9; de forma que viveu no deserto de Israel (isso não impedia contato para Evangelização, visto que o deserto era próximo e fazia parte da vida cotidiana do povo), mortificando a carne e vivendo uma vida de santidade, penitência, exercendo a caridade e a pobreza no vestir e no alimentar-se, sempre pregando o Evangelho, anunciando a conversão e a vinda do Cristo que batizaria no Espírito Santo. Vale ressaltar que tal Batismo de João não é o Sacramental, visto que esse só faz sentido com a morte e ressurreição de Jesus, mas sim significa a conversão e o arrependimento daquele povo.

A vida pública de Jesus e o início da concretização da sua missão salvífica deram-se início a partir do batismo recebido pelas mãos de João Batista, quando a fim de se cumprirem as escrituras, Jesus expõe a necessidade de ser batizado pelas mãos do profeta. Assim, vê-se a grande importância desse Santo para a história da salvação, principalmente porque o qual buscou, humildemente, deixar que o Messias aparecesse em toda Sua honra e glória.

Grande defensor da Verdade de Cristo, do Evangelho, não é espantoso sabermos que João Batista morreu a fim de defender essa realidade. O qual foi preso e martirizado ao não concordar com o fato de que Herodes casaria com a esposa de seu irmão, Filipe. A mulher, furiosa e com ódio, quis matá-lo, mesmo Herodes sabendo de toda sua santidade e justiça. E assim, para cumprir o pedido e o capricho de Herodíades, João foi decapitado, como é descrito no Evangelho de São Marcos 6, 17-29.

Portanto, busquemos, assim como São João Batista, anunciar a Verdade de Cristo a todos os povos e nações. João agiu e fez o que Cristo pediu e pregou, pois recebeu o Espírito Santo no ventre de sua Mãe. Nós também temos esse Espírito Santo prometido por Jesus em seus últimos dias antes de Ascender aos Céus, por isso, podemos Evangelizar, não só com palavras, mas com nosso testemunho de vida, que deve ser pautado em oração, penitência, humildade e caridade, a fim de que se cumpram os desígnios de Deus em nós.


“Quando estamos repletos do Espírito Santo também somos embaixadores de Deus, transmitindo, aos que encontrarmos, as virtudes e as forças necessárias. Podemos ser alegria, esperança, sinal de bênção em momentos difíceis da vida dos que nos cercam.” (Imitação de Maria, Parágrafo 109)

Indico, aqui, uma linda e breve canção que pode abrilhantar seu dia, sob a ótica da vida de São João Batista, "A Canção de Isabel":



São João Batista, rogai por nós!

Referências:

1- Christo Nihil Praeponere- Memória do Martírio de São João Batista
2- Christo Nihil Praeponere- Natividade de São João Batista
3- Erlin, Luis. Imitação de Maria: o segredo de sermos agraciados por Deus. São Paulo: Editora Ave-Maria, 2008.

Gleice Kelly
18 anos, Católica, batizada, crismada, catequista e Integrante do Movimento TLC- Diocese de Palmeira dos Índios/AL;
Estudante de Ciências Farmacêuticas- UFAL.

Um comentário:

  1. Gostei.
    Simples e claro.
    também tenho um blog com temas católicos, só que mais voltado pra música. http://simplescomooar.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.