São Tomás de Aquino e as 5 provas da existência de Deus

“Ao debater com pagãos, uso a razão; com Judeus, o Antigo Testamento; com hereges, toda a Escritura.” São Tomás de Aquino


Movidos pela campanha “Você não está só- Não vos deixeis abater pelo desânimo” (Hebreus 12, 3), buscamos entender, rezar e alcançar todos que estão nas “periferias existenciais” humanas. Assim, nesta semana estaremos rezando e adentrando em temáticas relacionadas a ateus e agnósticos.

Desta forma, vamos refletir um pouco sobre a visão de São Tomás de Aquino com relação à existência de Deus, esse que é um Doutor da Igreja, filósofo da Idade Média e um grande mestre da teologia católica, ao demonstrar com amor, comunhão divina e sabedoria imensa as verdades da fé católica, inclusive prezando a concisão e a sistematicidade.

Vejamos a seguir as cinco provas que São Tomás de Aquino determinou para a existência de Deus:

1- Prova do movimento

Deus é “o primeiro motor imóvel”, ou seja, tudo no universo que pode ser movido é movido por algo: a potência precisa de um ato para receber o movimento, de forma que é necessário um primórdio de movimento, visto que a relação movimento-ato não é capaz de alcançar o infinito. 

2- Prova da causalidade eficiente

Causa eficiente significa algo que produz outro algo, é como se fosse o modelo causa e efeito, que vivenciamos a todo instante: a que produz b, sendo "a"  causa eficiente de "b". O b não é causa eficiente por si mesmo, bem como existe um limite na reflexão de causa eficiente. Por isso, São Tomás de Aquino nos prova que Deus é essa primeira causa para tudo que criou, inclusive nós, criaturas a Sua imagem e semelhança.

3- Prova da contingência

São Tomás nos prova que Deus é o primórdio necessário para a existência de tudo que houver no mundo, visto que é preciso a primeira necessidade, que tenha razão em si, para dar origem aos contingentes (que dependem de outro ser para existir, como uma lâmpada, por exemplo, depende de nós, seres humanos). Se os contingentes não têm, em si, razão para a própria existência, surge a necessidade de um necessário que tem, em si, razão absoluta de existência, sendo este, Deus.

4- Prova dos graus de contenção dos entes

A fim de encontrar uma razão suficiente das perfeições existentes no mundo, as quais servem de comparação entre si, chegamos necessariamente à existência real de um Ser perfeito, único e simples, que é claramente diferente de tudo que houver no universo: Deus, uma vez que todas as perfeições que existem no mundo são limitadas, de forma que quando nos aproximamos de algo visto como perfeito, com maior aprofundamento, chegaremos a Deus, buscando participarmos da Suma Perfeição.

5- Prova pelo governo do mundo

Nessa causa, São Tomás de Aquino nos diz que Deus coordena, revela e dá finalidade a todas as coisas no mundo, visto que as coisas não tendem a um fim se não forem regidas por um Ser inteligente. Isso vai desde a microscopia até os gigantes astros, sendo absurdo afirmar que tudo isso surgiu do acaso, sem que haja o querer de Deus, que é subsistente e de uma inteligência infinita.

Portanto, São Tomás de Aquino nos faz refletir, fazendo uso da razão, acerca de como é fácil encontrar Deus em tudo que existe, nas razões do existir e no proceder do existir, sendo Ele o primeiro motor da essência, a causa eficiente, o necessário, perfeito e de uma inteligência infinita, possibilitando finalidade e ordem a tudo que há.

Peçamos a São Tomás de Aquino que rogue pela nossa razão, para que sejamos levados a ver Deus em tudo que somos, temos e notamos. Rezemos, também, pela conversão de todos os ateus e agnósticos do mundo, para que encontrem a Verdade que liberta, salva e completa.

Referências:

3- SÃO TOMÁS, O ente e a essência, n 65. Disponível em: <http://www.lusosofia.net/textos/aquino_tomas_de_ente_et_essentia.pdf> Acesso em 21 de agosto de 2017.



Gleice Kelly
Tem 18 anos, é estudante de Farmácia na UFAL e integrante do Movimento TLC- Diocese de Palmeira dos Índios/AL. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.