Eternidade: o verdadeiro sentido

Certamente todos nós já vivenciamos momentos de inquietudes, angústia, tristezas sem motivos aparentes ou falta de sossego, de paz. Quando se trata de algo saudável, que não representa transtorno psicológico, refletir sobre tais sentimentos é algo comum e valoroso, isso porque é racional. Assim, é trivial chegarmos a um denominador comum: nossas ânsias. O querer, o esperar, é, sem dúvida nenhuma, uma das válvulas motores do ser humano, afinal, quem somos nós se não nossos sonhos, nossas esperanças (recordo, aqui, o centro da vida cristã, desejo do Céu). Assim, os motivos de nossas frustrações, ou quais são nossas ânsias e esperanças refletem o que somos, bem como o cuidado que estamos tendo com nossa vida espiritual e nossa luta diária.

Tomás de Kempis, em seu livro Imitação de Cristo, deixa-nos claro o quanto o desequilíbrio dos desejos influi em nossa queda de humor, no acúmulo de maus sentimentos. Assim, quando perdemos o foco do que realmente importa, das nossas ânsias pelas quais o ato de lutar é valoroso, certamente coisas insignificantes inquietam nossa alma e mancham nosso coração. Cobramos das pessoas o que nós mesmos não somos capazes de realizar. Não fazemos exercícios de empatia, a irritabilidade passa a ser constante, e assim, cada vez mais, vamos nos afastando da face de Cristo, vamos nos afastando da Santidade, do configurar-se a Ele.

Todas as vezes que o homem deseja alguma coisa desordenadamente, torna-se logo inquieto. O soberbo e o avarento nunca sossegam; entretanto, o pobre e o humilde de espírito vivem em muita paz. O homem que não é perfeitamente mortificado facilmente é tentado e vencido, até em coisas pequenas e insignificantes. O homem espiritual, ainda um tanto carnal e propenso à sensualidade, só a muito custo poderá desprender-se de todos os desejos terrenos. Daí a sua freqüente tristeza, quando deles se abstém, e fácil irritação, quando alguém o contraria. (Imitação de Cristo 6, 1.)

Ansiamos por muito, esquecemos que nada nos completa se não a eternidade... E se começarmos a nos concentrar na eternidade, todas as nossas futilidades cairão por terra. Realmente veremos que estamos seguindo o caminho errado, importando-nos com coisas desnecessárias, agindo mal, sendo vencidos pela estratégia demoníaca que é o desviar do nosso olhar para as Bem-Aventuranças, tão difundidas ordinariamente, mas ao mesmo tempo tão negligenciadas por nós, que não colocamos como atitudes primordiais de nossas vidas. Cultivamos o ódio, o rancor, o orgulho, como se sentir e viver esses sentimentos é um direito nosso. E é, quando resolvemos servir ao pecado. Pois, assim disse Jesus:

Se amais os que vos amam, que recompensa mereceis? Também os pecadores amam aqueles que os amam. E se fazeis bem aos que vos fazem bem, que recompensa mereceis? Pois o mesmo fazem também os pecadores. Se emprestais àqueles de quem esperais receber, que recompensa mereceis? Também os pecadores emprestam aos pecadores, para receberem outro tanto. Pelo contrário, amai os vossos inimigos, fazei bem e emprestai, sem daí esperar nada. E grande será a vossa recompensa e sereis filhos do Altíssimo, porque Ele é bom para com os ingratos e maus. (Lucas 6, 32-35)

Tudo aquilo que não é Eterno jamais nos completará e nos saciará... O ato de possuir gera mais e mais desejo de possuir, e tudo isso se desgasta e se perde. Por isso tantos sentimentos de frustração, de tristeza. Colocamos nossa esperança em pessoas que passam, erram, maltratam-nos. Baseamos o amor que sentimos por elas no que elas podem oferecer. Agimos da mesma forma com materiais, com prazeres mundanos e passageiros. A sexualidade é colocada em um patamar que foge do sentido primordial, que é a vida. Por isso, fere. Esperamos muito das pessoas, por isso, elas nos ferem e/ou as descartamos. Baseamos nossas alegrias em momentos e situações que passam, por isso, é o vazio que fica.

Insensato é quem põe sua esperança nos homens ou nas criaturas. Não te envergonhes de servir a outrem por Jesus Cristo, e ser tido como pobre neste mundo. Não confies em ti mesmo, mas põe em Deus tua esperança. Faze de tua parte o que puderes, e Deus ajudará tua boa vontade. Não confies em tua ciência, nem na sagacidade de qualquer vivente, mas antes na graça de Deus, que ajuda os humildes e abate os presunçosos. (Imitação de Cristo 7, 1)

Neste momento, pare um pouco. Reflita a cerca de seus objetivos, reflita em que você está pondo suas energias. Realmente está sendo válido? As situações consideradas como frustrações, tristezas e derrotas devem, realmente, ser vistas de tal forma? Pense, também, em cada motivo que está te levando a destratar as pessoas, a te afastar de quem você ama... Ou ainda, o entrave que não te permite amar. Será que realmente vale a pena? É valoroso colocar nossa esperança, nossa perspectiva de futuro, em materiais, dinheiro, pessoas? Com certeza, não. Nossa recompensa é maior. E é por essa recompensa, a Eternidade, que nós devemos lutar.

Oração para cura da tristeza:
 
Senhor Jesus,
tu conheces a minha tristeza,
essa tristeza que invade meu coração,
e sabes a origem dela.
Hoje me apresento a ti
e te peço, Senhor, que me ajudes,
pois já não posso continuar assim.
 
Sei que tu me convidas a viver em paz,
com serenidade e alegria,
inclusive em meio às dificuldades cotidianas.
Por isso, eu te peço que coloques tuas mãos
nas feridas do meu coração,
que me fazem ser tão sensível aos problemas,
e me libertes da tendência à tristeza e à melancolia,
que tomam conta de mim.
 
Hoje te peço que tua graça restaure a minha história,
para que eu não viva escravizado
pela lembrança amarga
dos acontecimentos dolorosos do passado.
Como eles já passaram,
não existem mais,
eu te entrego tudo aquilo por que passei e sofri.
 
Quero perdoar-me e perdoar,
a fim de que a tua alegria comece a fluir em mim.
 
Eu te entrego as tristezas unidas às preocupações
e aos temores do amanhã.
Esse amanhã tampouco chegou e,
por isso, só existe na minha imaginação.
Devo viver somente o hoje,
e aprender a caminhar na tua alegria no momento presente.
 
Aumenta minha confiança em ti,
para que minha alma cresça em júbilo.
Tu és Deus e Senhor da história e da vida,
das nossas vidas.
Por isso, toma a minha existência
e a das pessoas a quem amo,
com todos os nossos sofrimentos,
com todas as nossas necessidades,
e que, com a ajuda do teu poderoso amor,
cresça em nós a virtude da alegria.
 
Amém.


“Alguém entre vós está triste? Reze!” São Tiago 5, 13

Referencias:

1- KEMPIS, de Thomás. Imitação de Cristo. Petrópolis, RJ, Vozes, 2015.

Gleice Kelly
Tem 18 anos, é estudante de Farmácia na UFAL e integrante do Movimento TLC- Diocese de Palmeira dos Índios/AL.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.